Rádio Panorama








EMPREENDA COM SUCESSO!









Alma de Artista

12/12/2018

Por Misa Ferreira

Nunca fui do lar. Explico. Nunca fui prendada, de saber fazer isso ou aquilo, de saber costurar, bordar, bem, bordar já é demais, é coisa do passado, quando nossas mães nos mandavam aprender bordado com Dona Lalá ou Lili porque moça que não soubesse bordar não estava pronta pra casar. Minha mãe nunca nos mandou pra Dona Lalá ou Lili, mas minha tia mandava suas filhas e elas sempre foram donas de casa maravilhosas.

Quando meu marido me conheceu já sacou direto que eu era nula nessas questões. E anos mais tarde quando eu o questionei, passou-se assim nosso diálogo:mas antes, fazendo um parênteses, deixando claro que eu sempre fiquei constrangida em registrar isso numa crônica. Adiei, adiei, mas finalmente registro, vamos lá, foi assim:

- Beeem, você nunca ligou que eu não soubesse cozinhar, né?

E ele:

- Não, cozinhar eu dou conta, gosto muito, mas o que faço questão mesmo é de comer.

Pronto, falei.

          Não que eu não participe da cozinha. Participo sim. Dou palpite, põe isso, põe aquilo, abrimos vinho sempre, nos esbarramos como dizia Adelia Prado: “É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha, de vez em quando os cotovelos se esbarram”. Às vezes saio correndo para anotar alguma coisa que ele falou, meu marido é uma fonte pura de crônicas. De novo, como dizia Adelia Prado: “somos noivo e noiva.”

          Então, ele sempre foi ótimo, e tudo ou o pouco que sei, aprendi com ele. Minha mãe queixava-se de mim, dizia assim: ah Maria Luiza, ah Maria Luiza, a Agueda e a Raquel sempre quiseram aprender a costurar na máquina, mas você, você sempre passou direto, nem um pingo de curiosidade. É verdade. Costurar, então? Fala a verdade, nerusca de pitibiribas. As primas são verdadeiras artistas em tudo. Minha enteada também. Boa em qualquer coisa. Quer uma mesa enfeitada de Natal?Em dois tempos estava tudo lá, maravilhoso! E depois elaainda trazia uma taboa com damascos e nozes jogadas displicentemente ao lado de um Camembert! Parecia uma pintura! Coisa de louco! E quando costurou um vestido que me deu de aniversário: um mimo de um tubinho azul- marinho que amo!

          E a ideia de escrever hoje sobre cozinha e prazer foi porque almoçamos omelete e macarronada simples assim com vinho branco em plena quinta. Lembramos de quando nos conhecemos e do meu medo de que ele não gostasse de mim por eu não saber cozinhar, pois até já ouvi que há homens que se casam porque a mulher é uma boa cozinheira. Não, meu marido não é assim. Um amor é mesmo feito de pequenas grandes coisas do dia a dia simples e significativamente grandioso. E durante o almoço ele aproveitou para me avisar: antes que você me chame, dizendo:

- Mooottaaaa, que que isso aqui na geladeira? Pode jogar fora?

- É pé de porco e costelinha com uma salmorazinha que fiz. Não mexe não!

          Bem, repito aqui algo que já disse em outras crônicas: faço sofrivelmente um arroz com feijão e ovo, mas bordo delicadamente com as palavras o que nunca consegui com as rendas e linhas, afinal com alguma coisa eu tinha que lidar. Bancária medíocre que fui, tive o prazer de ouvir de meu sobrinho que me conhece tão bem: tia Misa, você tem alma de artista! Valeu pela vida toda! Às vezes acho que tenho sim. Palavra de honra, como dizia a mamãe.

Misa Ferreira escreveu e publicou os livros: Demência, o resgate da ternura (autobiográfico) /Santas mentiras (Crônicas) /Dois anjos e uma menina (infantil) /Estranho espelho e outros contos, além da coluna "Verbo Inverso".


Voltar



Anuncie   •   Assine o newsletter   •   Contribua com conteúdo   •   Fale conosco

© 2010 CONEXÃO ITAJUBÁ - Site desenvolvido por B2ML Sistemas utilizando o sistema de gerenciamento de conteúdos b2mlportal.