Rádio Conexão Itajubá









EMPREENDA COM SUCESSO!






Anuncie no Conexão Itajubá!





Inês é morta

10/05/2017

Por Misa Ferreira

Tive um colega na faculdade que realmente podia ser chamado de “meu tipo inesquecível”. Era um sujeito mais velho, assim como eu. Nunca soube ao certo sobre sua vida, apenas que morava em uma cidadezinha por perto. O cara era uma pessoa diferente, mostrava ter muitos conhecimentos, dava seus palpites nas aulas, era divertido, um “boa praça” como se costumava falar. Mas ele dizia certas coisas para mim e para algumas pessoas que, a princípio, julguei que fosse um lunático ou um simplório. Nunca dei importância, simplesmente não podia acreditar que ele me julgasse tão boboca para engolir os papos furados que contava. Ele dizia coisas como ser um contato do Pentágono aqui na Serra da Mantiqueira para assuntos alienígenas, falava que tinha um canal particular com o Bush. Bem, não é que lá pelo fim do curso estava eu conversando com a reitora, e o nome do Gumercindo, vamos chamá-lo assim, veio à baila. Então eu relatei as coisas incríveis que ele falava. Ela ficou séria, pensativa, fixando o olhar para fora da janela, de onde se podia avistar a linda Serra da Mantiqueira. Depois virou-se para mim e disse: Misa, o Gumercindo é uma incógnita. Jamais saberemos se há um fundo ou um mundo de verdade nas coisas que ele fala. Mas juro que às vezes eu acredito.

Nos últimos meses do curso saquei que o meu colega falava inglês e francês com fluência, e me peguei imaginando o Gumercindo e o Bush em seu canal particular para assuntos altamente secretos do Pentágono. E depois que a reitora disse aquilo, sinceramente, a coisa até fazia sentido, ou então os dois estavam gozando com a minha cara.

Bom, mas o que quero mesmo relatar é que entre as peças de teatro que montamos e desmontamos nas deliciosas Semanas de Letras, encaramos “Inês de Castro”, e a cronista que escreve este artigo foi a famosa rainha póstuma, com direito a todos os aplausos que arranquei da plateia. Também arranquei lágrimas pela minha poderosa atuação dramática, pois não foi uma nem duas colegas que se afligiram e choraram quando D.Inês (eu) foi morta cruelmente em pleno palco bem na frente de seus filhos. Elas me contaram depois que pensaram em seus próprios filhos e choraram. E eu, bem, me senti a própria Fernanda Montenegro. Para dizer a verdade, me senti a própria Glenn Close em dias de Oscar, o que me deu força para prosseguir em minha carreira teatral nas próximas Semanas de Letras.

Agora sim, voltemos ao Gumercindo. Ele foi um ator coadjuvante da peça. Ao contrário de todos os outros que decoraram fielmente suas falas, ele insistia em improvisar, dizendo que nós não sabíamos que teatro verdadeiro estava na arte do improviso. Nosso diretor, meu ex-colega bancário, arrancava os cabelos, e eu pensava, meu Deus, o Gumercindo vai por tudo a perder. Mas seguimos e chegou o grande dia. Todos providenciaram fantasias e foi uma graça a gente ver a criatividade de uns e outros nos figurinos da corte da Espanha e Portugal nos idos de mil trezentos e tanto. Eu, muito preocupada com Gumercindo. Sinceramente não acreditava que ele fosse capaz de usar uma fantasia, mas eis que o Gumercindo surge das brumas do tempo e aparece tão a caráter que nos deixou de queixos caídos. Trazia um impecável traje e um chapéu com uma pena que balançava elegantemente enquanto andava com uma espada embainhada à cintura. Era o próprio conselheiro do rei, sem tirar nem por. Sua fala foi improvisada como em todos os ensaios, e até houve um momento em que ele gaguejou uma frase e outra, mas deu conta.

Ao final, no ápice do tom dramático da peça em que eu implorava aos gritos que não me matassem, as luzes foram apagadas para dar um clima maior de suspense, e eu sem enxergar nada, continuei gritando, até que ouvi o Gumercindo me sussurrar ao ouvido:

- D. Inês, pare de gritar que a senhora já está morta!

Que saudades do Gumercindo! Por onde andará? Aqui perto mesmo no alto da Serra da Mantiqueira? Ou perdido nas salas do Pentágono? Talvez numa viagem à la “Highlander” na corte de D.Inês, ou quem sabe até abduzido depois de contatos imediatos sem fim? De qualquer forma fica aqui registrado meu eterno carinho por ele. Valeu Gumercindo!  Você era daquelas pessoas que enriquecem a vida da gente!    


Voltar



Anuncie   •   Assine o newsletter   •   Contribua com conteúdo   •   Fale conosco

© 2010 CONEXÃO ITAJUBÁ - Site desenvolvido por B2ML Sistemas utilizando o sistema de gerenciamento de conteúdos b2mlportal.