Rádio Panorama








EMPREENDA COM SUCESSO!









O Poder dos Mantras? A Mentira Coletiva

06/07/2018

Por Dr.Ricardo José de Almeida Leme

LA VIDA ES LUCHA VIVA LA REVOLUCION DOLCE FAR NIENTE TIME IS MONEYGOSTO DE LEVAR VANTAGEM EM TUDO FELICIDADE INTERNA BRUTACONFIANÇA EM SI E NO OUTRO

Logo ao nascer, o indivíduo é submetido ao mantra coletivo de seu país de origem. Uma afirmação inconsciente que permeia a visão do mundo e vida daquela população, mais ou menos positiva.

O idioma de uma nação é um conjunto de “mantras”, que facilita a comunicação consigo, com o outro e com o universo. Interiorizados ou expressos, estes conteúdos repetidos promovem maior ou menor conexão, saúde ou doença, alienação ou consciência.

Tudo parece ter iniciado, segundo o livro do Gênesis, com a construção da Torre de Babel. Na época, os descendentes de Noé, falavam a mesma língua e tinham a tarefa de "crescer" e se "multiplicar" quando decidiram construir uma torre que alcançasse o céu, a morada divina. Até que Jeová "confunde" as línguas, inviabilizando assim a construção. Metade da comunicação é falar, a outra metade escutar. Quando alguém fala, mas não escuta o que o outro fala, ocorre algo semelhante ao que o mito acima narra.

A fragmentação em um número extenso de idiomas e dialetos contribui em parte para a falta de compreensão e afastamento entre as pessoas. Mas por quê? Talvez pelo fato dos homens não perceberem que o essencial para o encontro com o divino é a comunhão entre si (torre interior) e não a construção da torre exterior.
Assim, por não perceberem que viviam na unidade e falavam a mesma língua, construíram a tal da torre. Por não perceberem sua unidade, qualidade maior do modo “Ser”, se perderam na busca pelo modo “Ter”. Na ambição e prazer peculiares ao “Ter”, perderam a paz e a alegria características do “Ser”.

Já naquela época abrimos mão da “Unidade” pela fragmentária ideia de “Partido”. Essa pode mesmo ser a história dos partidos políticos e também da fragmentação linguística, decorrência do afastamento do princípio do amor em direção ao princípio da individualização e do poder. O poder de nomear as coisas e de convencer que elas sejam da forma como eu acredito que elas devam ser.

A “confusão“ decorrente do aparecimento de novos idiomas e a consequente perda de entendimento do “todo” foi expressa por Enio Starosky (2015), para quem a percepção da realidade depende do “sistema linguagem - pensamento”.
Para exemplificar, ele cita um ”mantra” usado por muitas pessoas para desejar paz ao outro: “Salam”, em árabe, ou “Shalom”, em hebraico.  A palavra original traz em si vários significados que se perdem na tradução para o português: integridade física, sanidade, saúde (física e espiritual) e aceitação – entre outros.
Um fenômeno semelhante acontece com o conceito de amor no idioma alemão. Enquanto os gregos, os romanos e mesmo as línguas modernas derivadas do latim possuem um número amplo de substantivos para designar o fenômeno do amor - afeto, simpatia, amizade, caridade, compaixão, ternura, paixão - a língua alemã usa um único vocábulo “Liebe”.

Às vezes a gramática do idioma favorece uma visão mais ou menos individualista. Observemos o aramaico, onde a conjugação dos verbos começa com a terceira pessoa e termina com a primeira: Ele ama, tu amas, eu amo.
“Nós, em nossa civilização ocidental, somos inclinados a começar tudo pelo ‘eu’. A gramática do eu em primeiro lugar é o reflexo do quão egoísta o meu mundo particular é”, destaca Starosky (2015).

Em algumas línguas, até mesmo as palavras que designam os dias da semana reforçam a conexão com algo maior. No livro Fundamentos de Astronomia, o autor Romildo Póvoa Faria (1987) atribui aos mesopotâmios a criação do conceito de semana em meados do 3° milênio A.C. Segundo ele, os planetas eram entendidos como verdadeiros deuses que exerciam influência direta nos seres humanos e nos acontecimentos da Terra.

Nesse sentido, dedicaram um dia à adoração de cada deus que conheciam, começando pelo Sol (domingo), que era o “mais importante”. Os outros dias foram destinados, respectivamente, à Lua (segunda-feira), Marte (terça-feira), Mercúrio (quarta-feira), Júpiter (quinta-feira), Vênus (sexta-feira) e Saturno (sábado). Muitas culturas preservaram essa concepção por meio da linguagem.

DIA DA SEMANA

INGLÊS

ESPANHOL

SIGNIFICADO

Domingo

Sunday

 

Dia do Sol

Segunda feira

Monday

Lunes

Dia da Lua

Terça feira

 

Martes

Dia de Marte

Quarta feira

 

Miercoles

Dia de Mercúrio

Quinta feira

 

Jueves

Dia de Júpiter

Sexta feira

 

Viernes

Dia de Vênus

Sábado

Saturday

 

Dia de Saturno

 

Fato é que a repetição de ideias e conceitos molda a forma de ver o mundo assim como o modo como nos relacionamos com ele, seja ele mais terreno, espiritual ou simbólico. Além disso, a língua de um país pode reforçar ou enfraquecer aspectos e comportamentos humanos.

Entre os mantras coletivos identificamos alguns com facilidade: “La vida es lucha”, dos argentinos; o “Viva la revolución”, entre os nicaraguenses, o “Dolce far niente” dos italianos, “Time is money”, dos americanos e a lei do Gerson ou “Gosto de levar vantagem em tudo” que, curiosamente, ainda prospera no Brasil.
Nascido na Argentina, o renascedor Ronald Fuchs conviveu por muitos anos com o mantra de que a vida é uma luta, uma crença que - segundo ele - se reflete não só nos indivíduos, mas também na política, nas empresas e nos relacionamentos.

Através de um trabalho consistente de autoconhecimento, ele identificou sua postura de atrito com as situações e pessoas que se apresentavam em sua vida e resolveu mudar. Aos poucos, a dinâmica de luta, enfim, está saindo de seu roteiro. “É um trabalho de uma existência inteira”, diz.

A mentira coletiva é uma programação que diz respeito aos aspectos que temos a trabalhar, e que pode ser transmutada a partir de nossas escolhas individuais e coletivas. Na avaliação de Fuchs, a crença brasileira de “levar vantagem em tudo”, por exemplo, está ligada à corrupção e à escravidão.

“Os dois temas estão intimamente relacionados ao abuso: estou numa posição de poder, então eu posso fazer tudo. Porque eu sou poderoso... Provavelmente há uma dinâmica de abuso a ser trabalhada aqui no Brasil e que no momento presente está aflorando com mais força”.

A prova de que é possível fazer diferente está em outras culturas. No distante Butão, o teor dos “mantras” que povoam as mentes dos moradores é de natureza diversa. Neste país, localizado nas montanhas do Himalaia, os pensamentos dominantes se referem à “Felicidade Interna Bruta”, “que não é uma lei escrita, mas um ideal que norteia as decisões do governo nos últimos 30 anos”.

A mesma disposição permeia as mentes na Dinamarca. Lá, “Confiança em si e no outro” é o mantra dominante, considerado o mais feliz do mundo, segundo a ONU.

Essa certeza é tão presente que cerca de 70% da população acha que desconhecidos são dignos de confiança (bem distante dos 7% reconhecidos no Brasil) e 94% acredita que o próprio indivíduo pode melhorar a sua vida. Com crenças bem menos positivas, o Brasil figura na 24ª colocação entre os 156 países no ranking da Felicidade (Previdelli, 2013).


Voltar



Anuncie   •   Assine o newsletter   •   Contribua com conteúdo   •   Fale conosco

© 2010 CONEXÃO ITAJUBÁ - Site desenvolvido por B2ML Sistemas utilizando o sistema de gerenciamento de conteúdos b2mlportal.