Rádio Conexão Itajubá









EMPREENDA COM SUCESSO!









A polêmica “cura gay”

05/10/2017

Por Graça Mota Figueiredo

Nos últimos dias a mídia tem falado muito nos homossexuais. As redes sociais são cruzadas a todo momento com opiniões de todos os tipos sobre o assunto.

Pessoas de todas as tribos se manifestam, ora contra ora a favor do que se entendeu a respeito do pedido de um grupo de psicólogos e da liminar de um juiz.

Não vou me deter nessa história, até porque ela foi amplamente divulgada nos últimos dias.

Quero apenas pensar junto com os leitores sobre a tarefa dos psicólogos e dos psiquiatras que fazem a sua formação em psicoterapia.

Nossa tarefa primordial é cuidar do sofrimento emocional. Qualquer que sejam as razões e as causas dele.

Nossa obrigação é não julgar, não criticar ou impor visões de mundo de quem quer que seja; nossa obrigação é caminhar junto ao doente pelos seus próprios caminhos pessoais, sendo o olhar e a escuta auxiliares de que ele precisa.

Nossa vocação é reforçar a crença que tem o paciente em si mesmo e ajudá-lo a ir em frente de acordo com ela, a crer nos seus próprios valores, a viver a sua própria história, seja ela coerente ou não com os valores da sociedade onde vivemos ambos.

Aí chegamos à questão que anda rendendo tantos comentários emocionados: pode um profissional “curar” alguma tendência, escolha ou pré determinação fisiológica ou emocional de um ser humano?

Imaginando que a homossexualidade seja uma escolha livre (sabemos ainda tão pouco das emoções e dos sentimentos), pode alguém reverter deliberadamente essa possível escolha do outro com um tratamento, qualquer tratamento psicológico ou de um outro tipo?

Até onde a ciência descortinou os horizontes do conhecimento, a resposta é um taxativo NÃO! A inclinação sexual deve ser livre e múltipla, e não há comportamento certo ou errado nessa questão. Os sentimentos se dirigem livremente para o objeto de amor que se encontre, seja ele do mesmo ou de diferente gênero.

O que se pode cuidar é do eventual sofrimento que uma escolha desalinhada com o que a sociedade aceita possa provocar.

E, finalizando, até o senso comum nos diz que “qualquer forma de amor vale a pena”!


Voltar



Anuncie   •   Assine o newsletter   •   Contribua com conteúdo   •   Fale conosco

© 2010 CONEXÃO ITAJUBÁ - Site desenvolvido por B2ML Sistemas utilizando o sistema de gerenciamento de conteúdos b2mlportal.